Projeto de novo sistema de BRT não poluente é aprovado em Curitiba, Proposta desbancou VLP e modelo de cooperativa. Agora, basta licitação para que o sistema saia do papel.

A prefeitura de Curitiba aprovou num processo de PMI – Proposição de Manifestação de Interesse – da iniciativa privada um novo modelo de transporte limpo para a capital paranaense e parte da região metropolitana, que consiste numa rede de corredores de ônibus BRT com veículos não poluentes e estações conectadas, algumas, inclusive, subterrâneas, como as do metrô. O próximo passo para a proposta se tornar realidade é a realização de uma licitação, o que ainda não tem data para ocorrer.

Denominado de CIVI – City Vehicle Interconnect, o projeto que deve contar com ônibus híbridos e, posteriormente, elétricos puros é de iniciativa de um consórcio formado pela Associação Metrocard, que reúne as empresas de ônibus da região metropolitana de Curitiba, da Nórdica, representante da montadora Volvo, e pela construtora Cesbe S.A. – Engenharia e Empreendimentos.

O procedimento de apresentação de propostas foi lançado pela prefeitura de Curitiba em maio de 2016, e contou com três projetos, o próprio CIVI, um VLP – Veículo Leve sobre Pneus, sugerido pelo consórcio das empresas JMaluceli Construtora, M4 Consultoria e Pontoon Participações, e uma proposta da Sociedade Peatonal, representada pelo engenheiro André Caon, que contemplava uma espécie de cooperativa de ônibus elétricos com baterias no trajeto entre a CIC e o Parque da Imigração Japonesa.

Os custos mais baixos, a viabilidade de implantação e a extensão da malha foram decisivos para a proposta do BRT limpo ser considerada vencedora. O projeto prevê uma rede de cinco corredores que somam 106 quilômetros: Aeroporto/Centro Cívico; Tamandaré/Cabral; Linha Verde; Araucária/Boqueirão, e Norte/Sul.

O sistema deve contar com aproximadamente 300 estações de embarque e desembarque, todas conectadas por cabos de fibra ótica. Os passageiros terão wi-fi, painéis com informações sobre os horários e as linhas, além de ar-condicionado nos espaços. A rede deve ter aplicativos de celulares específicos com informações em tempo real para os passageiros sobre os serviços. Seis dessas estações devem ser subterrâneas, como as do metrô.

De acordo com o presidente do Conselho de Administração da Cesbe, Carlos de Loyola e Silva, em nota, o desenvolvimento do projeto foi liderado pela Volvo, e, quando implementado, requalificará Curitiba como exemplo de cidade sustentável.

“O aspecto que nos atraiu foi a tecnologia proposta pela Volvo para esse tipo de projeto. O CIVI é um modelo que não tem paralelo no mundo, além de atender às normas da Euro 6 de restrição à poluição, com ônibus híbridos, incorpora conectividade, permitindo prever com exatidão o horário de chegada do ônibus” – explicou.

O executivo complementou dizendo que a solução terá baixo custo para os cofres públicos em comparação com outros modais que têm capacidade semelhante de transportes. “Buscamos oferecer uma solução econômica para Curitiba, com vantagens muito grandes para o usuário, unindo funcionalidade e conforto”, afirmou Loyola.

O projeto foi apresentado na FetransRio, feira de mobilidade urbana que ocorreu em novembro do ano passado, no Rio de Janeiro, pela Volvo, e teve cobertura do Diário do Transporte. Na ocasião, o especialista em mobilidade urbana da Volvo Bus Latin América, Ayrton Amaral, que qualificou a ideia como evolução do BRT, explicou como devem ser as estações subterrâneas, e disse que o sistema traz vantagens em comparação com outros modelos.

“O conceito de parada seria semelhante às estações de metrô, no entanto com menor profundidade: seis metros, enquanto, em média, uma estação de metrô necessita de uma profundidade de 15 metros. As estações seriam modernas, com fácil acesso, e na superfície da área onde estariam as estações poderiam ser feitos bulevares para melhorar o espaço urbano […]. É bem mais barato e viável que o VLT ou qualquer outro sistema por apresentar mais capacidade, e poderia ser implantado em dois anos”.

Texto: Adamo Bazani
Fotos: Divulgação Volvo

About The Author

Wagner Domingos Ivanesken

Wagner é motorista de ônibus da Empresa Expresso Princesa dos Campos e admirador de ônibus e transporte público desde pequeno. Trabalhou em empresas de Curitiba, como a Cristo Rei e Santo Antônio. Também foi o criador do blog Ivanbuss, onde publicava suas fotos e de amigos. Em 2012 juntou-se ao Ônibus de Curitiba e trouxe sua experiência para somar ao time do site.

Related Posts

Pular para a barra de ferramentas