Provavelmente você deve ter visto na mídia nos últimos dias algumas matérias falando de ônibus pegando fogo, certo? Pois bem, esse ano se ouviu muito sobre ônibus pegando fogo, mas efetivamente, apenas o AL698 virou cinzas.

Então o que seria toda essa fumaça que tem surgido nos ônibus de Curitiba?

O que se viu em todos os episódios de “incêndio” foi apenas fumaça branca. Fumaça de fogo, quando está queimando plástico, madeira, borracha e tudo o mais, é preta e não branca. A fumaça branca surge quando há um “estouro” da turbina do veículo. Em si, a turbina não estourou literalmente falando, mas algum componente que envolve sua funcionalidade sofreu algum colapso, ruptura, vazamento de óleo ou desgaste e causou uma pane, fazendo com que a fumaça branca escape e imediatamente ocorra perda de potência do motor.

Os usuários estão correndo perigo?

Não aposto nesta possibilidade. O tal do “estouro da turbina” não oferece quaisquer riscos aos usuários, exceto o fato de ter que esperar o próximo ônibus para seguir viagem. A fumaça não é de risco elevado, mas toda agilidade é bem-vinda para evitar inalar em excesso a fumaça sem filtros.

É evidente que qualquer sinal de fumaça, para qualquer um de nós, é motivo de preocupação, ainda mais em um ambiente fechado e com difícil movimentação, dependendo da quantidade de pessoas. Por isso é importante que, quando visualizar qualquer tipo de fumaça, avisar imediatamente o motorista. E se conseguir manter a calma para distinguir a cor da fumaça e assim tentar diminuir possíveis tumultos, auxiliará bastante no controle da situação.

A qualidade da manutenção diminuiu?

Não necessariamente. Curitiba ainda é referência, pelo menos no quesito manutenção e conservação de sua frota. Eu diria com certeza de que tudo isso é um sinal. Mas não é o sinal de Habemus Papam – quando um novo papa é escolhido que solta-se uma fumaça branca na Capela Sistina – mas sim sinal de que as coisas não estão bem de modo geral no nosso transporte. É um sinal de que o que era para ser melhor acabou se tornando prejuízo público e privado, coletivo e individual. A licitação acabou trazendo instabilidade financeira para o sistema como um todo, de modo que se não houver medidas adequadas, poderá levá-lo a um colapso.

Curitiba já deveria estar a frente de seu tempo no que se diz a tecnologia no transporte. Infelizmente a cidade esteve estagnada por longos 8 anos, apenas trazendo novos ônibus e esquecendo de modernizar todo o ecossistema que o rodeia, além de fornecer melhores estruturas viárias para os coletivos. O ônibus foi lembrado tarde demais, quando a situação já estava caótica. As faixas exclusivas e reconhecimento facial, por exemplo, vieram tarde. Mas como diz o ditado: “antes tarde do que nunca”.

A integração temporal que poderia contemplar todo o sistema e desafogar os principais terminais e estações-tubo e fornecer vazão em outras rotas ainda é algo minúsculo e irrelevante. O que poderia tornar os ônibus mais atrativos que carro, trazer mais usuários e beneficiar ainda mais a população, possivelmente não será visto tão cedo. Ou mesmo uma faixa de tarifação diferenciada, isso não é nem discutido.

Ou seja, até que o sistema possa encontrar a luz no fim do túnel para uma possível recuperação da sua saúde financeira e atingir novamente o patamar de equilíbrio, estaremos longe de grandes revoluções que melhorem significativamente o ir e vir em Curitiba.

A verdade dói – dói ainda mais quando ignorada

Ônibus esfumaceando por aí? Ônibus circulando com mais de 15 anos de uso? Tudo isso passa a ser irrelevante perto do que o sistema realmente é. Ainda utilizamos estruturas que foram moldadas nas décadas de 70, 80 e 90. Ônibus novo? O que nós precisamos além de apenas ônibus novo brilhando em nossas caras é uma estrutura nova, moderna e que seja compatível com a era na qual vivemos e que poderia contribuir muito bem com a diminuição de carros particulares nas ruas. Outras cidades do Brasil e do mundo que um dia se espelharam em Curitiba, hoje estão muito melhores que nós. Por isso é importante lembrar, cuidado na hora de eleger seu representante do poder legislativo e executivo. Não vá pelo rostinho bonito, mas sim pelo que efetivamente está comprometido em fazer para o coletivo.


Histórico de ocorrências

Separei algumas imagens dos fatos que ocorreram este ano. De acordo com as notícias da imprensa, foram contabilizadas 5 ocorrências desta natureza em 2015.

16/06: Pinhais/Campo Comprido
Marcopolo Viale – Mercedes Benz O-500M
Link do vídeo

Imagem: Fernando - Blog do Lobão

Imagem: Fernando – Blog do Lobão

 

17/04: Biarticulado Santa Cândida/Capão Raso
Caio Millennium II – Volvo B12M
Link da notícia

Imagem: Vídeo veiculado no portal Paraná Online

Imagem: Vídeo veiculado no portal Paraná Online

 

26/05: Biarticulado Centenário/Campo Comprido
Neobus Mega BRT – Volvo B12M
Link da notícia

Foto: Ricardo Alves - Banda B

Foto: Ricardo Alves – Banda B

 

08/07: Ahu/Los Angeles
Neobus Spectrum City – Mercedes-Benz OF1418
Link da notícia

Foto: Orlando Kissner - CBN Curitiba

Foto: Orlando Kissner – CBN Curitiba

 

15/09: Inter 2
Busscar Urbanuss Pluss – Scania K310
Link da notícia

Imagem: Ana Borges - Banda B

Imagem: Ana Borges – Banda B

 

About The Author

Fundador do Site Ônibus de Curitiba. Admirador de ônibus e modais de transporte desde sempre. Para Diego tudo podia virar ônibus, desde brinquedos, bicicletas, vídeo-games de corrida e até mesmo carros. Quem nunca brincou de fazer linha com algum desses itens? Pois é, Diego sempre fez. Também é fã de tecnologia e gosta de conciliar ambos os gostos, mas nem por isso deixa de encantar-se com modelos clássicos, que não eram dotados de tanta tecnologia assim.

Related Posts

6 Responses

  1. Luis

    Ooo locoo!!
    E o circular sul com 2 eixos traseiros??
    Também pegou fogo!!
    HR37 eu acho!!
    Ah…
    Em Araucária os ônibus não pegam fogo, mas já andei em alguns que estouraram a bolsa de ar da suspensão, com o ônibus em movimento!!
    Continue assim, Diego!!
    Gosto bastante deste site!!
    😀

    Responder
    • Diego Dubiginski

      Oi Luis!

      Foi o HR038 que pegou fogo, mas foi ano passado, ai não contabilizei nesta conta.
      Das bolsas de ar não vejo muito. Uma vez fui trocar um carro que tinha estourado as bolsas do lado direito. A sensação no rodar era horrível hahaha!

      Valeu pela visita e pelo apoio, Luis!
      Abração!

      Responder
      • Luis

        Ah…
        A sensação de andar com as bolsas de ar estouradas é horrível mesmo!!
        Os pneus ficam raspando no para lama e dá a impressão de estar detonando eles!!!

        Se vc precisar de imagens pro site, terei prazer em te ajudar!!
        Abraço Diego!!

      • Luis

        Opa…
        Certeza Diego!!
        Tenho que tirar foto dos 19C40, C41,C42 e C43 da Araucária!!
        Detalhe:
        19C43 volvo B7R manual
        19C42 mercedes O500 Automático!
        Araucária, desde os anos 2000 nunca mais teve Volvo e nem automáticos, tirando os ligeirinhos!!
        Esses ônibus eu sei que vieram da Viação Curitiba!
        Abraço Diego!
        Se eu conseguir fotos eu te mando!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.