AB300 - Híbridos começam a operarA cidade de Curitiba, no Paraná, que já é referência em transportes eficientes por conta das operações de ônibus em corredores do tipo BRT (Bus Rapid Transit) a partir desta quinta-feira vai se tornar referencial também em transportes coletivos limpos. No próximo dia 27 de setembro, começam a operar 10 dos 30 ônibus que fazem parte da frota de veículos elétricos híbridos.

Os ônibus vão fazer a linha Interbairros I, que une os principais bairros sem necessidade de passar por vias da região central. As outras 20 unidades ainda não têm data para começarem a circular e vão fazer linhas como Detran-Vicente Machado, Água Verde-Abranches, Juvevê-Água Verde, e Jardim Mercês-Guanabara. Os veículos possuem dois motores, um a eletricidade e outro a dieselHC300

A tecnologia é a ”Híbrida em Paralelo”. Até aproximadamente 20 quilômetros por hora, que é quando em rotações baixas um motor diesel convencional mais poluiria, quem funciona é o motor a eletricidade, responsável por também assim dar o arranque ao ônibus. Após esta velocidade, em desempenho melhor, a operação fica por conta do motor diesel, que por não ser tão exigido, pode ser ”menor” e menos poluente.

O ônibus não precisa ser ”plugado” em nenhuma fonte externa para o motor elétrico. A energia elétrica é gerada pelo motor a diesel e armazenada em baterias.

Já a energia gerada nas frenagens ou do conjunto elétrico que não é aproveitada nas reduções de velocidade também tem como destino as bateriais. O conceito chama-se frenagem regenerativa. Quando o ônibus para, o motor diesel é desligado completamente.

Por conta disso e do fato do motor elétrico funcionar em velocidades baixas, que representam uma parcela significativa das viagens de ônibus urbanos, o híbrido não emite ruído entre 35% e 40% do tempo de operação.
Em comparação aos ônibus a diesel que seguem as normas de redução de emissão de poluentes baseadas no padrão internacional Euro 3, que desde janeiro não são mais fabricados, mas que representam a maior parte da frota em circulação, as reduções de Óxido de Nitrogênio (Nox) podem chegar a 90%. A redução de gás cabônico pode ser de até 35%.
Em relação ao consumo, o ônibus pode reduzir em até 35% os gastos com óleo diesel.
AB300O Brasil é a única planta da Volvo, além do país sede, Suécia, que porduz chassis para ônibus elétrico híbrido. O modelo de chassi é produzido desde junho.
Ainda no Brasil, uma outra empresa, a Eletra, que fornece tecnologia para os trólebus da Capital Paulista e do Corredor ABD, também faz ônibus elétrico híbrido há mais tempo no território nacional.
Entre as principais diferenças entre os dois produtos, é que a Volvo adota a solução do sistema híbrido paralelo, na qual os motor diesel é reponsável pela tração do ônibus depois de certa velocidade e também gera energia ao conjunto de baterias que vai alimentar o motor a eletricidade. O sistema da Eletra é o híbrido em série ou seriado. Isto é, o motor a combustão serve apenas para gerar energia elétrica ao outro motor. Em todos os momentos, o ônibus é movimentado pelo motor elétrico.

Cada um tem cacarterísticas próprias, para determinados usos, o que não significa dizer que um é melhor que o outro. Depende das condições de tráfego, operação, demanda , topografia e da decisão do gestor e do operador.

Os ônibus híbridos da Eletra circulam pelo Corredor Metropolitano ABD, que liga São Mateus (zona Leste de São Paulo) ao Jabaquara (zona Sul), passando pelas cidades de Santo André, Mauá (Terminal Sônia Maria), São Bernardo do Campo e Diadema e também pelo Expresso Tiradentes, que liga a zona Leste à região Central de São Paulo.

Os ônibus da Volvo, além de Curitiba, devem começar neste ano a prestar serviços na Capital Paulista.

Adamo Bazani, jornalista da Ràdio CBN, especializado em transportes/ Canal do Ônibus.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.